Sistema de classificação de terrenos e aventureiros

De longe, uma das coisas mais difíceis quando se fala de fora de estrada não é conduzir. É quebrar a barreira linguistica que existe, mesmo quando se está a falar a mesma lingua.

O que é difícil para muitos pode ser fácil para outros tantos, e essa dicotomia é suficiente para criar sérios mal-entendidos.

Aqui na BN, apontamos a mais do que ajudar a desenvolver técnicas de fora de estrada, ou a mostrar paisagens e tracks que pautam pela sua beleza, apontamos também a tentar eliminar pontos de discórdia e divisão no nosso desporto. Com isso em mente, adotamos o sistema de classificação de terrenos e aventureiros desenvolvido pelo Bret Tkacs da Puget Sound Safety Off-Road (PSSOR).

Todas as nossas formações e tours são classificados segundo este sistema.

É importante referir que algumas considerações e suposições têm de ser tidas em conta para utilizar este sistema, tal como é aconselhada uma dose saudável de honestidade e introspecção quando o aplicarem.

De forma a facilitar a compreensão e aplicação do sistema, dividimo-lo em três secções:

 

CONSIDERAÇÕES E SUPOSIÇÕES

CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA CLASSES DE TERRENOS


MOTA - Estás a conduzir uma mota de aventura de média ou alta cilindrada (650cc-1290cc)

MODS - A tua mota de ADV está perto da sua forma original, apenas com pequenas alterações de proteção, conforto, ou bagagem. Pequenas alterações como afinação de suspensões (para ajuste de peso por exemplo) ou melhorias nos travões ou pneus não contam como uma alteração da mota do seu estado original para o efeito da classificação de terrenos.

USO - Estás a viajar ou a acampar, e portanto terás a mota equipada com um sistema de bagagem cheio pelo menos a 50%.

 

CONSIDERAÇÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DE AVENTUREIROS

TRANSIÇÃO - Aconselhamos sempre formação, e lá, irás falar de períodos de transição, que se referem ao período de tempo em que estás a desenvolver as técnicas que te irão permitir atingir o nível de proficiente.

Sobreviver ou conseguir passar certas dificuldades nos tracks não é sinal de proficiência.

VELOCIDADE - Não existe uma ligação directa entre velocidade e técnica. Quanto mais experiente fores, mais rápido vais saber ir, mas isso não significa que o escolhas fazer sistematicamente.

Pessoas diferentes têm zonas de conforto diferentes pelas mais diversas razões, desde preferencias pessoais de um ponto de vista mais generalista, até uma lesão ou uma mota com pouca capacidade numa visão mais de pormenor.

ADV não é trial nem competição, pelo que a velocidade não é sinónimo de capacidade técnica.

 

CONSIDERA QUE ESTÁS NO NÍVEL DE PRINCIPIANTE SE:

ANDAR EM PÉ - Não conduzes em pé quando em terrenos de dificuldade moderada (ou superior) e preferes ficar sentado em terrenos técnicos.

FADIGA - Estás tenso quando a conduzir fora-de-estrada e achas a condução fora-de-estrada fisicamente desgastante.

CONTROLO DE VELOCIDADE - Se usas o acelerador para controlar a tua velocidade e não a embraiagem (ou o travão de trás para motas com DCT)

TRAVAGEM - Não usas o travão da frente fora-de-estrada ou não te sentes confortável a travar fora-de-estrada

PÉS - Tentas "pedalar" em certos tipos de terreno, e preferes por os pés no chão em gravilha, areia, ou pedra solta.

 

INFOGRÁFICO:

 

Consulta a classificação de aventureiros e classes de terrenos.

PT-PT
Portuguese (Portugal)